O GLOBO – ‘Geeks’ ajudam prefeitura do Rio a resolver problemas da cidade

13Oct

O GLOBO – ‘Geeks’ ajudam prefeitura do Rio a resolver problemas da cidade

Usando dados do twitter e da prefeitura, grupo busca soluções para problemas relacionados a dengue, transporte e enchentes

Em 2009, quando empossado pela terceira vez na Prefeitura de Nova York, o empresário Michael Bloomberg anunciou a criação do que veio a apelidar, carinhosamente, de Esquadra Nerd (Geek Squad, em inglês). O grupo, majoritariamente jovem e liderado pelo advogado Michael Flower, passou a se debruçar sobre o acumulo mastodôntico de informação gerada, diariamente, pela capital econômica americana. Números de todo tipo — ocorrências policias, alarmes de incêndio, vítimas de ataque cardíaco, notas de alunos do sistema público — passaram a ser compilados, cruzados e analisados para ver, se deles, surgiam evidências de problemas e soluções para os oito milhões de habitantes da cidade. A partir de então, a prefeitura de Nova York formulou estratégias para diminuir os custos de manutenção do sistema de esgoto e para prevenir, de forma mais eficaz, desastres naturais, como o furacão Sandy.

No começo deste ano, o administrador Paulo Pellon, presidente da Fundação João Goulart — braço de treinamento dos funcionários da Prefeitura do Rio — viajou a Nova York, para um encontro com Flower. A ideia partira do secretário municipal da Casa Civil, Pedro Paulo Carvalho, que resolvera fazer, aqui, um esquadrão semelhante ao americano. Passada uma semana com o Geek Squad, Pellon retornou dos Estados Unidos com a missão de encontrar seis pessoas — de dentro e fora do serviço público — capazes de navegar pelos 400 terabytes de dados da prefeitura. Surgiu daí o projeto Pensa. Em agosto, finda a escalação entre os 150 interessados, Pellon voltou a exercer integralmente a presidência da Fundação João Goulart.

— Minha missão era montar o time — diz. — Agora que está pronto, eu saio.

A esquadra carioca — formado por um professor de Matemática, um geógrafo, um gestor de políticas públicas e dois engenheiros — trabalha numa pequena sala no segundo andar do Centro de Operações Rio, na Cidade Nova. É regida pelo advogado Pablo Cerdeira, de 34 anos, ex-subsecretário de Defesa do Consumidor, que responde diretamente à secretaria da Casa Civil.

— Aqui tem mais dados que na Prefeitura de Nova York — diz Cerdeira. — São um milhão de anotações de sensores por dia. Podemos analisar esses dados para ajudar a vida das pessoas.

Em geral, cada integrante ganha entre R$ 5 mil e R$ 7 mil para gerenciar um projeto e colaborar, com seus conhecimentos específicos, nos demais. Desde maio, quando os primeiros desembarcaram, o Pensa já levantou números sobre casos de dengue, locomoção urbana e locais de alagamento na cidade. Usou dados do Twitter, das secretarias, da Guarda Municipal, da CET-Rio, do cadastro do IPTU e do 1746 (serviço de atendimento ao cidadão da prefeitura). Por sugestão de Pedro Paulo, começou mapeando os bairros com o maior índice de queda de árvores.

— Os garotos começaram a trabalhar duas semanas depois de uma ventania. Pedi que cruzassem o histórico de queda de árvores com queda de energia — conta o secretário. — Queria saber quais eram os bairros em que mais caíam, em dados percentuais.

Resultado: Catumbi, Catete, Vidigal e Santa Tereza, nesta ordem.

— Pode ser que nesses bairros a poda seja mais precária — sugere. — Vamos dar um banho de loja neles.

O grupo também mapeou — a partir de dados gerados por torres de telefonia celular — a movimentação das pessoas, na cidade, no último 31 de dezembro. Descobriu que, da Zona Norte, os moradores do Andaraí e da Tijuca são os que mais participam da virada do ano na Praia de Copacabana.

— São dados genéricos, tirados de um projeto acadêmico de pesquisa. Não identificam ninguém — explica o engenheiro Pedro Bittencourt, de 26 anos, que gerencia o projeto. — As empresas guardam esses dados por três meses. Depois, viram lixo.

Pedro Paulo complementa:

— Dá para cruzar isso com o cadastro do Rio Ônibus, para saber quais linhas estão obsoletas. Podemos dar uma frota maior para o Andaraí e a Tijuca no réveillon deste ano, e diminuir de outros locais.

Artigo publicado em: http://oglobo.globo.com/rio/geeks-ajudam-prefeitura-do-rio-resolver-problemas-da-cidade-10352787

Leave a Reply